Adolescente denuncia ter sido estuprada durante 10 anos pelo padrasto

Ao estuprar a criança, padrasto dizia estar “ensinando sobre sexo”; caso aconteceu na Grande Cuiabá

Imagem ilustrativa

Depois de mais de 10 anos de sofrimento, uma adolescente de 17 anos tomou coragem e, na companhia da mãe, denunciou o padrasto, de 43 anos, por abusar sexualmente dela desde os oito anos de idade.

Os abusos aconteciam na casa da família, no Bairro Parque do Lago, em Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá) e a mãe só soube agora, quando a menina resolveu desabafar.

Conforme o boletim de ocorrência, desde os oito anos da vítima, por diversas vezes, o padrasto tirou a roupa dela, a beijou e passou a mão em suas partes íntimas.

Para justificar seus atos, ele dizia que estava “ensinando a menor sobre sexo”. Quando estava sozinho com a menina, ele trancava a porta do quarto para cometer os abusos.

O homem ainda sondava a criança tomando banho. E, quando achava que ela iria contar a alguém, oferecia dinheiro, ou dizia que compraria o que a criança quisesse.

Quando os irmãos da vítima estavam em casa, ele fazia os meninos descerem para brincar no playground. 

E para ver a menina nua, dizia que para ela entrar na piscina do condomínio havia uma regra que não podia entrar na água se tivesse pelos nas partes íntimas e fazia ela se despir para mostrar a ele como estava.

À polícia, a adolescente disse que já tentou tirar a própria vida por não poder contar para ninguém sobre os abusos.

O caso foi registrado como estupro de vulnerável, com “motivação pedofilia”, e encaminhado para a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, da Criança e do Idoso de Várzea Grande, que investigará as denúncias.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMarinha diz que mais de mil toneladas de óleo já foram retiradas do Nordeste
Próximo artigoEmpresários não podem esperar muito do poder público, afirma associação comercial

O LIVRE ADS