Acusado de estuprar criança é morto por espancamento em cadeia de MT

Suspeito estava preso há cerca de 10 dias por abusar de menina de apenas cinco anos

Imagem ilustrativa (Foto: Pixabay)

Um homem de 51 anos, identificado como Sebastião Rocha Alves, morreu nesse domingo (6) no Pronto-Socorro de Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá) depois de ser espancado na penitenciária de Chapada dos Guimarães (70 km de Cuiabá).

Sebastião, conhecido como Negão Catarino, estava preso acusado de estuprar uma criança de cinco anos.

Ele foi espancado na cadeia na última quinta-feira (3) e levado para o hospital de Chapada dos Guimarães com várias fraturas costais e hematomas no abdômen e tórax.

Depois, foi transferido para o Pronto-Socorro de Várzea Grande, onde passou por procedimento de urgência de cirurgia geral, mas acabou morrendo nesse domingo, por volta de 12h50.

A Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) foi acionada para liberar o corpo, que foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia.

Prisão

Sebastião havia sido preso no dia 24 de maio deste ano, após o Conselho Tutelar denunciar que estava com uma criança vítima de abuso sexual.

A vítima, de cinco anos, ao ver a arma de um sargento da Polícia Militar disse ao policial, apontando para a arma: “Isto é bom para pegar o Negão Catarino, que fica passando a mão na minha perereca”.

Na presença da conselheira, ela repetiu a frase. A conselheira, então, explicou a situação à equipe militar, que saiu em busca do suspeito.

O acusado foi encontrado na casa a mãe da criança, embriagado. Ele foi preso e encaminhado para a delegacia.

A criança, a mãe e o Conselho Tutelar acompanharam a situação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEnergisa tem 50 vagas de emprego abertas em 27 cidades de MT
Próximo artigoWhatsApp descarta restrições a quem não aceitar regras de dados