Ações sociais e doações: Saiba como os times de futebol estão agindo em tempos de coronavírus

Eles cedem estádio e se os jogadores não seguirem recomendações, são até multados. Não deixe de acompanhar seu clube do coração

Fala, meus fi! Como é que vocês estão nesse período de restrição de convívio? Carentes de futebol? Fizemos um breve panorama de como o esporte está lidando com o surto do coronavírus e a paralisação das atividades.

Alguns times brasileiros estão usando as redes sociais para manterem a proximidade com o torcedor e ainda, os conscientizando sobre os cuidados que devem ter para evitar o contágio. 

Tutorial

O Santos, por exemplo, usou os jogadores para ensinar os métodos de prevenção em um vídeo.

https://www.instagram.com/p/B-AWoBXAc5a/

Encontre a palavra

Todos os clubes da série A e alguns de outras séries colocaram em suas contas nas redes sociais o nome do clube acompanhado do símbolo “de 🏠”. A ideia é mostrar ao torcedor que estão seguindo à risca as orientações da quarentena.

Porém, confinamento pode acabar em tédio e para oferecer uma distração aos amantes do futebol, alguns deles, a exemplo do Cuiabá Esporte Clube, publicaram jogos interativos, como: 7 erros, caça-palavras e montagens de fotos para descobrir os atletas.

Reprodução rede social

Arenas de portas abertas

Estádios e sedes foram disponibilizadas para ajudar no tratamentos dos doentes e suporte das famílias atingidas pelo coronavírus. O São Paulo, por exemplo, disponibilizou além do estádio, o complexo social do Morumbi, que fica ao lado do Hospital Albert Einstein.

Férias sim, cortes não

Foram ventiladas algumas propostas de redução salarial. Inicialmente, os clubes queriam reduzir 50% dos salários dos atletas, que não concordaram.

A segunda proposta foi a suspensão dos direito de imagens, que seriam pagos no final do ano e redução de 25% dos salários, que também não foi aceita.

Porém, chegou-se a um acordo e os times deram férias coletivas de 1º a 20 de abril, podendo ser prorrogadas por mais 10 dias.

Mas a discussão não parou por aí. Ainda não está descartada a possibilidade de redução salarial após esse período.

Tirando do próprio bolso

Desde o início da pandemia, a mídia anuncia a comoção de atletas que transformaram o sentimento em apoio financeiro.

O robozão, Cristiano Ronaldo, lidera a lista de doações (R$ 22 milhões), seguido por Messi, Guardiola (R$ 5,5 milhões) e Federer (R$ 5 milhões).

Aqui no Brasil, o ex-goleiro Marcos se propôs a assumir o salário de 10 pessoas, por 6 meses, que por ventura venham a perder seus empregos por conta da crise.

Reprodução Instagram

Menino mau

Mas, também tiveram ações punitivas. O Red Bull Bragantino, por exemplo, aplicou uma multa de 40% do salário do jogador Alerrandro. Ele descumpriu a determinação do time de ficar durante esse período de isolamento em Bragança Paulista e foi visitar os familiares em Lavras/MG.

Veja a declaração do time no Twitter.

Ainda há muitas incertezas sobre como as coisas vão desenrolar, mas fato é que essa crise fez o mundo todo, inclusive do futebol, se mexer e se reinventar.

Marquinhos é publicitário araguaiense e vive em Cuiabá desde gurizinho. Apaixonado por samba, música brasileira e futebol, decidiu dividir suas experiências por aqui. Já foi músico e fotógrafo. Hoje é proprietário da produtora Por Aí Conteúdo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesembargador cobra do governo explicações sobre reabertura do comércio
Próximo artigoPizzaria e frigorífico vão doar pizzas a profissionais da saúde de Cuiabá

O LIVRE ADS