Ações contra Maggi devem ser enviadas imediatamente à Justiça Federal

Blairo Maggi tentava remeter investigações para a Justiça Eleitoral, após novo entendimento do STF

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

As investigações em relação ao ex-ministro e ex-senador Blairo Maggi, no âmbito da Operação Ararath, devem ser enviadas imediatamente para a Justiça Federal de Mato Grosso, por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão é desta terça-feira (25) e foi unânime entre os ministros da Primeira Turma, que negaram recurso do político.

Blairo Maggi recorria em dois inquéritos, por suposta prática de corrupção e lavagem de dinheiro. Desde outubro de 2018 o ministro Luiz Fux, relator das ações, determinou a remessa das investigações. A decisão foi ratificada em abril deste ano.

Depois que o STF reconheceu a competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes comuns conexos aos eleitorais, em março deste ano, Blairo Maggi entrou com pedidos para que a ação fosse remetida para a Corte eleitoral.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) já tinha se posicionado de forma contrária na ocasião em que a procuradora Raquel Dodge alegou que o ex-ministro teria a intenção de apenas “desconstruir” o andamento do caso, num ato de “desespero”.

Em um dos inquéritos, Maggi é acusado de ter negociado uma cadeira do Tribunal de Contas do Estado quando era governador de Mato Grosso. O posto seria o do conselheiro Alencar Soares Filho, que deu lugar a Sérgio Ricardo, conselheiro afastado. No outro, é acusado de obstrução da justiça.

LEIA TAMBÉM

Polícia Federal quer prorrogar investigação contra Bezerra por desvio de recurso

Ex-gerente do Bic Banco faz delação e entrega esquema da Ararath 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorParceria para economia verde começa a sair do papel em Mato Grosso
Próximo artigoFuturo sustentável: Barra do Garças projeta ações para os próximos 10 anos