Acima dos 60 anos, empresários se adaptam ao comércio digital

Pesquisa da CDL aponta que quase 100% dos empresários pensam em atuar no comércio digital

Imagem ilustrativa (Foto: Pixabay)

A pandemia de covid-19, exigiu e não foi fácil. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o principal desafio para os empresários com neste período foi a digitalização dos serviços. Imagine, então, para quem nasceu antes da década de 1970.

“Não tivemos para onde correr. Trabalhamos junto aos nossos colaboradores as novas linhas de vendas por delivery e remota, para poder manter os nossos negócios”, diz a empresária Maria Cristina Sauer, 67 anos.

Mas se engana quem pensa que esse foi o primeiro contato dela com as vendas digitais. No segmento de doceria, ela conta que a venda on-line já existia na sua empresa. Foi apenas  intensificada com a pandemia.

“Com muito trabalho e dedicação conseguimos preservar a qualidade dos nossos produtos e priorizar o melhor atendimento possível”, ela completa.

Uma pesquisa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL) revelou que 82% dos empresários pensam em atuar no comércio online.

Outros 77% já estão diversificando o portfólio de produtos para melhor atender às demandas durante a quarentena.

O empresário Ruyter Barbosa, 76 anos, se inclui nessas estatísticas. Para ele, quem já tem um negócio e se vê diante desse desafio, precisa redirecionar as atividades e uma das principais questões é a inclusão no meio digital.

“Realmente tivemos que dinamizar a nossa forma de interagir com o cliente. As mídias sociais facilitou o relacionamento e fez com que pudéssemos passar pelos períodos de quarentena com bons resultados. A nossa estratégia foi nos reposicionarmos nesse mundo digital”, explica.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBrasil e EUA concluem acordos para facilitação de investimentos
Próximo artigoVolta ao normal? Fim do isolamento social pode causar “síndrome da cabana”