ABMRA entra com ação por direito de resposta em defesa do agronegócio

Para a associação, os participantes do programa apresentaram dados irreais e conceitos inexistentes

Foto: Divulgação

A Associação Brasileira de Marketing Rural e Agropecuária (ABMRA) entrou com uma ação contra o programa Papo de Segunda, da GNT, pedindo o direito de resposta, após comentaristas do canal retratarem o agro brasileiro de maneira equivocada.

Na edição que foi ao ar na última segunda-feira (2), Bela Gil, Fabio Porchat, Emicida e Francisco Bosco fizeram uma chuva de críticas ao setor produtivo, com comentários infundados.

Para a Associação, os comentários errôneos, denegriram a imagem do produtor rural e de todo setor, importante para a economia do país.

Por esse motivo, a ABMRA entrou na justiça exigindo direito de resposta, uma vez que em sua avaliação as falas sem qualquer conhecimento técnico, com “dados irreais e conceitos inexistentes” levaram ao público uma compreensão equivocada do que são as atividades realizadas no Agro.

Conforme a Associação, a medida foi adotada em respeito ao produtor rural, aos pesquisadores, às empresas em toda a extensão do setor e a toda a população.

“A população precisa receber informações corretas para saber que no campo se trabalha de sol a sol, de forma séria e honesta para colocar alimentos na mesa de todos”, destaca Ricardo Nicodemos, vice-presidente executivo da ABMRA.

Em resposta às afirmações feitas durante o programa, a jovem Camila Telles, assessora da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) gravou um vídeo que também “ganhou a internet”. Nele, a jornalista rebate as afirmações com base em estudos da Esalq, CNA e Embrapa. Confira aqui.

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCorteva premia pesquisas relacionadas às Boas Práticas Agrícolas no Sintag
Próximo artigoQueimadas: Governo de MT decreta situação de emergência