ABMRA entra com ação por direito de resposta em defesa do agronegócio

Para a associação, os participantes do programa apresentaram dados irreais e conceitos inexistentes

Foto: Divulgação

A Associação Brasileira de Marketing Rural e Agropecuária (ABMRA) entrou com uma ação contra o programa Papo de Segunda, da GNT, pedindo o direito de resposta, após comentaristas do canal retratarem o agro brasileiro de maneira equivocada.

Na edição que foi ao ar na última segunda-feira (2), Bela Gil, Fabio Porchat, Emicida e Francisco Bosco fizeram uma chuva de críticas ao setor produtivo, com comentários infundados.

Para a Associação, os comentários errôneos, denegriram a imagem do produtor rural e de todo setor, importante para a economia do país.

Por esse motivo, a ABMRA entrou na justiça exigindo direito de resposta, uma vez que em sua avaliação as falas sem qualquer conhecimento técnico, com “dados irreais e conceitos inexistentes” levaram ao público uma compreensão equivocada do que são as atividades realizadas no Agro.

Conforme a Associação, a medida foi adotada em respeito ao produtor rural, aos pesquisadores, às empresas em toda a extensão do setor e a toda a população.

“A população precisa receber informações corretas para saber que no campo se trabalha de sol a sol, de forma séria e honesta para colocar alimentos na mesa de todos”, destaca Ricardo Nicodemos, vice-presidente executivo da ABMRA.

Em resposta às afirmações feitas durante o programa, a jovem Camila Telles, assessora da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) gravou um vídeo que também “ganhou a internet”. Nele, a jornalista rebate as afirmações com base em estudos da Esalq, CNA e Embrapa. Confira aqui.

Leia também