|terça, 21 agosto 2018

    A quem interessa?

    23
    COMPARTILHECOMPARTILHE

    A busca de ‘saídas’ é um tema bastante caro em Mato Grosso, sejam elas geográficas (por rodovia, ferrovia, hidrovia), sejam num sentido maior e mais abstrato, o da geopolítica. 

    Começo com o assunto da moda, as ferrovias. Uma delas, que voltou ao debate recentemente, é a Transoceânica, a “ferrovia dos chineses” que iria do Atlântico, no Brasil, ao Pacífico (Ilo, no Peru). Ou da chamada Ferrogrão, que iria de Sinop a Miritituba, no Pará. E outras. Só que todas, igualmente, têm ficado no papel, nas boas intenções, nas reuniões agendadas, nos relatórios de trabalho projetados, mas não cumpridos.

    Na verdade, as saídas físicas são apenas o aspecto mais visível, a famosa “ponta do iceberg”. Porque, efetivamente, o nó aperta em pontos mais esparsos, mais abrangentes. De fato, é preciso buscar respostas para os motivos do isolamento de Mato Grosso no contexto do país, isolamento este que já foi muito maior do que é hoje, mas ainda persiste em boa medida. O fato é que Mato Grosso, destaque internacional na produção de grãos e carne, sem alternativas de modais de transporte, fica refém do modal rodoviário, com todos os problemas que ele acarreta como a precariedade das rodovias, os enormes custos para construir novas, bem como para fazer a manutenção da malha viária atual, aumentando o custo Brasil – para não falar do “custo Mato Grosso”.

    Então, a questão das ferrovias traz outras perguntas, lastreadas na realidade do Estado. A principal: a quem isso interessa? Quando, há poucos dias, fui entrevistado pelos jornalistas Augusto Nunes, Camila Della Valle e Mikhail Favalessa no programa “O Livre”, da Band, tive oportunidade de avançar um pouco o debate e refazer a pergunta, estendendo-a mais um pouco: a quem interessa não só o nosso isolamento dentro do país como o fato de Mato Grosso ainda estar tão preso a este praticamente único modelo de desenvolvimento?

    Ressaltei que neste trabalho do qual venho participando na UFMT de fazer com que cada vez mais a Universidade ofereça respostas efetivas às mais diversas demandas da coletividade, buscando contemplar pessoas de todos os estratos sociais, temos o foco de mais um ciclo de desenvolvimento do estado, o da industrialização. Mato Grosso teve um boom em fins dos anos 70, passando por toda a década de 80 e 90, até os dias atuais, que nos colocou na condição de verdadeiro “pavilhão nacional do orgulho do agronegócio”. Mas pergunta-se: vamos permanecer por mais quantos anos neste modelo? Creio que é preciso mexer um pouco na pauta de nossas exportações, ampliá-la ao incluir produtos oriundos da agroindústria, o médio e o pequeno produtor.

    Pensando nisso é que, entre outras ações, a UFMT oferece cinco novos cursos, no campus Várzea Grande, em áreas da engenharia: Computação, Minas, Transportes, Química e Controle e Automação. Sintetizando: este salto, na perspectiva de contemplar o novo ciclo de desenvolvimento de Mato Grosso, nós estamos dando. A meu ver, não tem outra forma de fazer isso a não ser com educação e informação. E é precisamente isto que estamos fazendo.

    * Fabrício Carvalho é maestro e secretário de Articulação e Relações Institucionais da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

    Deixe um comentário

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    Polícia Civil prende filho acusado de matar pai por esganadura em Confresa
    Ex-prefeito, pai de brasileira morta chega ao Paraguai e nega prisão de suspeito
    Marido mata homem porque ele olhou sua mulher dançar em festa de aniversário
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    Arquiteta teria fugido por acreditar que acidente se tratava de assalto, dizem testemunhas
    Ritmo de campanha: Taques cola em Dante, Mauro em Blairo e Wellington no verde; ouça jingles
    Janaina Riva aposta em segundo turno entre Wellington e Mendes
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    Cinco unidades do Indea são revitalizadas com recursos de Fundos
    Soja tem cenário promissor e área plantada deve crescer
    Setor de couro quer melhorar qualidade e aumentar exportações
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Sesc Arsenal oferta minicurso sobre adaptação literária em multimídia neste sábado
    Evento circense reúne artistas da América Latina em Cuiabá com apresentações ao público
    Fotógrafos profissionais e amadores terão consultorias gratuitas nesta semana
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Comitê para Migrações repudia agressões a venezuelanos
    Pesquisa da CNI mostra melhora na confiança dos empresários
    Temer e ministros discutem situação de venezuelanos em Roraima
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Começam inscrições para concurso docente da UFMT
    Por R$ 23 mil, Tribunal de Justiça de Mato Grosso lança concurso para magistratura
    Sejudh abre concurso para agentes penitenciários com salários de até R$ 3 mil
    X