A preço incrivelmente baixo, prefeitura compra respiradores de inventor

Modelo recebeu contribuições dos técnicos da Unemat e de médicos da região e prefeitura comprou seis unidades

A oficina da casa do eletrotécnico José Rodrigues Sales, 52, em Torixoréu (600 km de Cuiabá), está a todo vapor com a produção da primeira encomenda de respiradores, equipamento considerado essencial no tratamento de pessoas com covid-19.

Ele inventou a máquina no começo de março, quando a pandemia foi anunciada, e, desde então, recebeu várias contribuições de técnicos e médicos. Fez alterações e melhorias e considera ter alcançado o modelo ideal.

O protótipo foi elaborado a partir de um motor de para-brisa de carro e restos de computador doados por um amigo. Depois, ele anexou a máquina a um Ambu – respirador manual – e assim reproduziu as mãos humanas.

Quando concluída a primeira versão, encaminhou para técnicos da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e pediu ajuda ao médico da cidade.

“Eles me deram algumas sugestões que encareceram um pouco o projeto original, mas darão mais controle aos médicos sobre o ritmo de pressão no Ambu e também segurança”, acrescenta.

Entre as alterações está o sistema de regulagem de tempo e velocidade, que agora permitirá ao profissional da saúde optar pelo número de batidas por segundo.

“O médico me ensinou com funciona a contagem da respiração. Ele disse que é um segundo inspirando por dois expirando. Então, consegui fazer várias possibilidades dentro deste parâmetro”, descreve.

Outro aprimoramento foi o sistema de purificação de ar, que foi elaborado com o cifão de pia e válvulas. Ele vai captar o ar do paciente e passar por um frasco com líquido esterilizador.

E para fechar, uma bateria de 45 ampares, que estará ligada em dois aparelhos e oferecerá autonomia de 8 horas em caso de falta de energia elétrica.

Cliente

O primeiro cliente do inventor foi a prefeitura de Torixoréu, que encomendou seis unidades por não encontrar equipamento para comprar no mercado.

No negócio, o município entrou com o custo dos materiais e o inventor com o desejo de salvar vidas.

“Um médico veio aqui. Testou. Analisou e disse para deixar pronto porque em caso de emergência, vai usá-lo”, afirma José Rodrigues.

Cada uma dos respiradores custa R$ 1,5 mil, um valor expressivamente aquém dos R$ 87 mil estimados hoje no mercado.

Veja o vídeo onde o inventor apresenta sua invenção com as melhorias:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.