A menos de 24h do lockdown, prefeitura ainda não tem planejamento

Prefeito Emanuel Pinheiro anunciou que vai recorrer e espera a apreciação do Tribunal de Justiça para planejar as medidas necessárias

(Foto: Divulgação/ Prefeitura de Cuiabá/Luiz Alves)

A Prefeitura de Cuiabá está esperando uma nova decisão – dessa vez do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) sobre o recurso que ainda será protocolado – para anunciar quais medidas vai adotar para colocar em prática – se não conseguir reverter – o bloqueio total da cidade, já determinado pela Justiça.

O lockdown – ou “quarentena obrigatória”, como o governo do Estado tem chamado – está marcado para começar nesta quinta-feira (25).

Determinado na última segunda-feira (22) pela Vara Especializada da Saúde Pública de Mato Grosso, o bloqueio deve implicar na implantação de restrições na circulação de pedestres e veículos pelas ruas. Apenas serviços essenciais, como mercados, farmácias e hospitais, poderão continuar abertos.

A pergunta que ainda resta, contudo, é como e quem fará a fiscalização do cumprimento dessas medidas.

Perguntado sobre o planejamento dessas ações – em entrevista à rádio Nativa FM na manhã desta quarta-feira (24) -, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) disse que não teve tempo hábil para isso.

Preparado não está. São várias medidas que precisam ser tomadas. Ordem judicial, se contestada e não revertida, se cumpre. Então, vamos que ter que adotar as medidas, mas eu preciso de um tempo mínimo, porque fica tudo nas costas do município”, disse.

A falta de definição está gerando incerteza em vários setores. A assessoria de imprensa da Polícia Militar, por exemplo, informou que a corporação está mobilizada, porém só pode definir uma estratégia depois que o Município definir que ações quer que sejam adotadas.

Isso acontece porque os militares darão apoio ao trabalho que será desenvolvido pela prefeitura, como barreiras sanitárias e controle de aglomerações.

LEIA TAMBÉM

O pedido de fechamento das duas cidades partiu do Ministério Público Estadual. A justificativa é o aumento dos casos de covid-19, bem como a sobrecarga dos sistemas de Saúde público e privados.

O prefeito Emanuel Pinheiro, contudo, já se posicionou contra a medida. Ele acredita que a economia será prejudica e, paralelamente, não haveria grandes impacto positivo para os  hospitais.

É que boa parte dos pacientes atendidos na Região Metropolitana vem de municípios do interior, que continuarão com as atividades funcionando normalmente.

A reportagem do LIVRE também entrou em contato com a Prefeitura de Várzea Grande, mas até o momento não obteve retorno. O espaço continua aberto para manifestações.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVocê se consultaria com um dentista que fez estágio online? CRO não recomenda
Próximo artigoMPE e os R$ 41 milhões

O LIVRE ADS