A Lavagem das Escadarias e todo seu conteúdo e contribuições

(Foto: José Medeiros)

A Lavagem das Escadarias de São Benedito e Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, que aconteceu em 28 de junho também foi marcada pela despedida da coordenação do evento de Alair Fernando Neves. Alair entregou a carta de afastamento por tempo indeterminado após atuar em três edições deste importante momento da cultura.

Aos 76 anos, Alair liderou a organização da lavagem por ser um grande incentivador e defensor da cultura negra. Desde o início do trabalho, que culminou na criação da comissão organizadora, até a realização da terceira edição, ele buscou a união das diversas religiões e deu passos importantes na disseminação da cultura da tolerância. Ele deixa o evento fortalecido, esperançoso que as diversas comunidades possam abraçar a causa.
A lavagem já ocorreu há quase duas décadas e foi retomada com o intuito de também ser mais um atrativo para a Festa de São Benedito, o santo negro que, para muitos é o santo da congregação. E com este ideal, a Lavagem, cuja maioria dos participantes integra as religiões de origem africana, consegue abraçar outras crenças. Todas as crenças! Católicos, candomblecistas, umbandistas, mulçumanos, ciganos e têm até mesmo representantes de quilombolas. Todos movimentando a bandeira da paz.

O ato tem muita história e muita gente envolvida que poucos conhecem. Um dos primeiros incentivadores de Alair para que ajudasse a organizar o evento foi Fernando Baracat. Com experiência na divulgação da Festa de Benedito, Baracat também deu suporte à realização do ritual. O vereador delegado Marcos Veloso é padrinho do evento. Como católico praticamente, ele foi um dos coordenadores da caminhada da paz, realizada pela igreja de Nossa Senhora de Guadalupe e logo sentiu a necessidade de contribuir com mais eventos com o tema. “Cuiabá precisa de eventos que trazem a integração. Alair trouxe à lavagem um aspecto importantíssimo, que é a profissionalização. Com trabalho e insistência, conseguiu demonstrar ao poder público a relevância de um ato para a cultura. Posso dizer que a Lavagem consegue harmonizar todas as crenças. Liderado por Alair, eu mesmo já estive uma mesquita, ampliando as participações”, destacou Veloso.

A “Lavagem”, como é chamada carinhosamente pelos organizadores, já integra o calendário oficial de eventos de Cuiabá, um ato aprovado na Câmara Municipal a partir da proposição de Veloso e sancionada pelo prefeito Emanuel Pinheiro. A ‘festa’ ocupa seu lugar de representatividade em meio às comemorações populares da capital mato-grossense. Desde o início, a comissão conta com o apoio da Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo, que disponibilizou a Casa Cuiabana para os trabalhos da comissão. Também já teve o Estado contribuindo na divulgação do evento.

E, em meio ao trabalho de organização, muitos acontecimentos importantes incentivados por Alair. A participação de Antonio Mulato, que faleceu ano passado aos 113 anos, um importante representante dos quilombolas em Mato Grosso. A idade avançada não impediu de dançar e até mesmo caminhar durante a lavagem que ele fazia questão de participar. Virou o patrono do evento.

Teve também o apoio do padre Marco Antonio, da Igreja de São Benedito. A ampla participação da imprensa local é outro ponto forte do evento. A criação dos tamborzeiros que dão ritmo à caminhada no entorno da igreja. Ampliou a participação da comunidade. A mensagem de paz foi chamamento para mais de 1,5 mil pessoas. Ele iniciou os trabalhos para registro da “Lavagem” junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional para que seja transformada em patrimônio cultural.

Alair se despede agradecendo a todos que contribuíram para levar este projeto adiante e que agora tem condições de caminhar com um direcionamento que ele ajudou a criar. Agradece a confiança dos líderes religiosos. Com seu vasto conhecimento e disposição, envolveu a todos, amigos, famílias, pessoas de todas as crenças, poder público, libertando, simbolicamente, a ave  da paz.

Simone Alves, jornalista em Cuiabá

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdvogado finge ser delegado, rouba celular e denuncia dono do aparelho
Próximo artigoMães que recebem alta no Santa Helena ganham berço sustentável

O LIVRE ADS