A força do voluntariado em tempos de crise

(Foto: Rodnae Productions / Pexels)

A pandemia do novo coronavírus revelou para população o trabalho dos grupos de voluntários que se mobilizaram em todo o país para socorrer os menos favorecidos, levando ajuda emergencial às famílias e pessoas em situação de maior vulnerabilidade.

Uma mobilização que ganhou visibilidade nos principais meios de comunicação, mostrando que ajudar o próximo é uma das ações mais bonitas que uma pessoa pode fazer para quem está em um momento de necessidade.

O movimento voluntário demonstrou ser uma alternativa importante para amenizar os efeitos da pandemia, uma situação inesperada que gerou desemprego, fome, insegurança, problemas emocionais e uma série de consequências que não pouparam idosos, crianças, trabalhadores e uma quantidade enorme de famílias que se viram, de uma hora para outra, sem condições mínimas de amparo e segurança social. Uma situação que mostrou, principalmente, a incapacidade de muitos governos de solucionarem, com agilidade e presteza, os problemas da população que tem sentido, de forma mais impactante, as consequências da crise instalada pelo coronavírus.

Em Cuiabá tenho acompanhado de perto a luta de nossos heróis voluntários e voluntarias, que a exemplo dos nossos heróis da linha de frente da saúde, chegam a arrisca suas vidas para levar ajuda à população mais necessitada da nossa capital. Vi empresários que mesmo passando por dificuldades causadas pela pandemia, fizeram doações expressivas para compra de cestas básicas, vi profissionais de várias áreas que dedicaram horas de trabalho para apoiar ações voluntárias como distribuição de máscaras, álcool gel, produtos de higiene, cestas básicas e marmitas, atendimento a idosos e doentes, entre outros serviços. Um trabalho que tem como principal característica a vontade de se dedicar a algo ou a alguém por vontade própria e sem procurar receber nada em troca.

Sem dúvida alguma o trabalho voluntário foi e é um contraponto frente as manchetes de mortes e estatísticas negativas gerados pela pandemia. Sabemos que a superação do atual momento depende da participação popular, depende da vontade política e competência dos governantes e legisladores para viabilizarem a vacinação em massa, a estruturação da saúde pública para atender a demanda, programas de renda emergencial para população, socorro financeiro aos pequenos empreendedores e prestadores de serviços, entre outras ações urgentes. Mas enquanto isto não chega, é fundamental todo apoio humano, financeiro e uma adesão maior da população, dos grupos, empresas e entidades à causa voluntária. Uma mobilização solidária que vem amenizando o sofrimento, que vem salvando vidas, que vem prestando socorro, que vem trazendo esperança de dias melhores para muitas famílias afetadas pela crise.

Sempre achamos que ao fazer algo por alguém estamos somente ajudando uma pessoa, uma família, uma entidade ou um “pet” que foi abandonado na rua. No entanto, dedicar nosso tempo aos outros, como é o caso de um trabalho voluntário, é sempre uma oportunidade de crescimento. Na verdade, estamos contribuindo mais com nós mesmos do que com os outros. O trabalho voluntário nos torna mais humanos e irmãos, nos faz descobrir que a humanidade é uma só, nos faz descobrir verdadeiramente que todos somos um.

Meu gabinete de vereador está aberto para apoiar todos os grupos, entidades e pessoas sérias que desenvolvem trabalho voluntário em Cuiabá. Podem contar comigo para levar a frente esta importante bandeira de solidariedade e amor ao próximo.

Marcus Brito Junior é advogado e vereador por Cuiabá

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNão há espaço para protecionismo!
Próximo artigoO que eu aprendi com Forrest Gump?