A entrada de juízes na política é um risco, analisa Augusto Nunes

Em MT, a juíza Selma Arruda tentar ingressar no jogo político depois de carreira consolidada na Justiça

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A entrada de magistrados e membros do Judiciário na política é um risco. Sobretudo quando, inebriados pelo resultado do seu trabalho contra a corrupção, esses juristas decidem ingressar na política. Sempre com a promessa de fazer as coisas de uma forma diferente daqueles que lá estão.

Em passado recente, a Itália foi vitima desse movimento. Juízes ligados à operação Mãos Limpas, espécie de antecessora da Lava Jato, decidiram concorrer a cargos eletivos depois de terem condenado políticos por corrupção. 

[featured_paragraph]“Como também não se mostraram políticos diferentes dos tradicionais, que estavam envolvidos em corrupção, acabaram aparecendo para o público como oportunistas interessados em uma vaga no Congresso italiano”, diz Augusto Nunes em coluna de vídeo (veja abaixo). [/featured_paragraph]

Se por um lado a vontade de ingressar no jogo político partidário não chegou com força nos membros da força-tarefa da Operação Lava Jato, em outros locais a história é outra. Como em Mato Grosso, onde a ex-juíza Selma Arruda (PSL) agora tenta uma vaga como senadora. 

“Como política ela não vai indo bem. Candidata ao Senado pelo PSL, ela tem tido lances de oportunismo e fechado os olhos para alguns casos que seriam investigados pela juíza Selma, o que aproxima o seu comportamento do comportamento padrão dos políticos que sempre combateu”, prossegue Augusto Nunes. 

Confira a coluna completa no vídeo: 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorWaldir Caldas, candidato ao Senado, defende o fim do fundo partidário eleitoral
Próximo artigoAcervo pode estar salvo em cofres e armários, dizem pesquisadores