94% das mortes por covid-19 em MT são de pessoas não vacinadas

Levantamento considerou as notificações feitas de janeiro a julho de 2021

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Em 2021, cerca de 94% das mortes por covid-19 em Mato Grosso foram de pessoas não imunizadas. O dado foi mensurado pela equipe técnica da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), com base nas informações oficiais do sistema IndicaSUS, mantido pelo Ministério da Saúde.

O percentual reforça que a vacinação é o meio mais eficaz de prevenir mortes pela covid-19. O levantamento considerou as notificações feitas de janeiro a julho de 2021.

De acordo com o secretário adjunto de Vigilância e Atenção à Saúde, Juliano Melo, o levantamento aponta que está sendo comprovada a eficácia esperada dos imunizantes.

“Já se percebe que a proteção aos casos graves e óbitos, entre as pessoas que tomaram uma ou duas doses da vacina, é extremamente maior do que naqueles que não tomaram. Isso corrobora com pesquisas que são desenvolvidas sobre a eficácia das vacinas, independentemente do tipo do imunizante”, pontua.

Melo ainda explica que, como a imunização foi iniciada em 2021, o número de pessoas que completaram o esquema vacinal, com duas doses, ainda não é expressivo se comparado ao número da população total do Estado. Contudo, já “se percebe que a proteção da vacina contra a gravidade e o óbito é muito significativa”.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Minha opinião: isso é mais do que óbvio, a vacinação começou recente e ainda não tem vacina para todo mundo. Não se pode alegar que a vacinação está derrubando o número de mortes, tendo em vista que nem 50% da população foi vacinada, está mais explícito uma imunização de rebanho. Achei a matéria bem tendenciosa.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“A hora dele vai chegar”, diz Bolsonaro sobre Alexandre Moraes
Próximo artigoRoubo a casas de luxo: um alvo da Operação G-Cross ainda é procurado