8 de março, dia de luta pelos direitos da mulher

Mais do que uma data festiva, o dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, representa uma história de luta. Ao longo dos anos, os importantes, mas ainda insuficientes, avanços conquistados acabaram por ofuscar o real significado da data, algo que precisa ser lembrado por conta de tantas mazelas e fatos a se lamentar.

Antes de falar dos dias atuais, é de fundamental importância recordarmos o que motivou a escolha de um dia para lembrarmos das lutas das mulheres de todo o mundo. A definição de uma data se deu após diversas manifestações de mulheres em várias partes do planeta, exigindo melhores condições de vida, trabalho e direito ao voto. Estes movimentos ocorreram com mais intensidade no final do século XIX e no início do século XX.

Um dos primeiros documentos a reconhecer a igualdade entre homens e mulheres foi justamente a Declaração Universal dos Direitos Humanos que deixa claro que todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos e possuem liberdade de opinião, expressão, direito à vida e são iguais perante a lei.

Todos estes direitos foram inseridos na nossa última constituição, promulgada em 1988, conhecida internacionalmente como constituição cidadã. No entanto, nem as lutas das mulheres, nem a Declaração Internacional dos Direitos Humanos e tampouco nossa carta-magna fizeram com que as mulheres fossem plenamente respeitadas e tratadas com igualdade.

Números não faltam para comprovar o quanto é necessário avançarmos para assegurar o respeito a estes direitos. Levantamento encomendado pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em parceria com o Datafolha, mostra que há 536 casos de violência contra as mulheres por hora em nosso país. Isso mesmo com a existência de leis específicas, criadas para assegurar a integridade das mulheres que vivem no Brasil.

O mercado de trabalho também demonstra o quanto ainda precisamos avançar. Mesmo com a garantia constitucional de que homens e mulheres são iguais, elas recebem salários menores em praticamente todos os cargos, áreas de atuação e níveis de escolaridade. Além disso, mulheres são minoria nos cargos de destaque, como a direção de empresas.

Na política não é diferente. A representatividade feminina ainda é ínfima, embora representem mais de 50% do eleitorado brasileiro.

É possível escrever longos textos mostrando o quão difícil e inseguro ainda é ser mulher nos dias de hoje. Com toda a certeza, ao longo destes mais de 100 anos de lutas, houve avanços significativos, mas a estrada é longa e é preciso continuar a andar.

Adoramos flores, bombons, cafés da manhã e todo o tipo de homenagens, mas queremos também o resgate do motivo da existência da data, para que todas as lutas não tenham sido em vão. Para que as mulheres passem a ser plenamente livres, respeitadas, valorizadas e reconhecidas.

*Gisela Cardoso é vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB/MT)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorServidores públicos são alvos de operação em Peixoto de Azevedo
Próximo artigoPoliciais da Rotam esperam uma hora e meia para bandido sair de matagal