7 dicas: especialista ensina a cuidar do seu cão “velhinho”

Alimentação balanceada, água e exercícios diários estão na lista. Confira!

O tempo passa para todos nós! E é claro, para nossos amigos de quatro patas, também. E quando estão na fase da senilidade – nas raças grandes isso ocorre entre os sete e oito anos – eles precisam de muita atenção, pois voltam a ser bebês.

E o mais surpreendente é que as raças menores são mais resistentes. Elas começam a entrar na velhice a partir dos 10 anos.

Pensando nesse momento delicado, a proprietária da Animália, a veterinária Elizama Pires, listou sete pontos que merecem muita atenção:

1 – Manutenção do peso

O ideal para um cão idoso é que ele seja alimentado com alimentos classificados como sênior. Eles são animais menos ativos, portanto, precisam de menos calorias para evitar o ganho de peso, que pode dificultar a locomoção por conta da sobrecarga nos ossos e músculos.

2 – Evite tártaro nos dentes

É importante manter a escovação dos dentes do seu pet em dia. O problema é que, se ele não for acostumado desde pequeno, dificilmente você conseguirá fazer isso quando estiver idoso.

Caso não seja possível, pelo menos evite dar alimentos que não sejam os apropriados, pois o tártaro é inevitável e, com a idade, pode acarretar outras doenças.

É possível fazer a remoção do tártaro, mas isso envolve um processo anestésico e pode resultar na perda parcial dos dentes.

3 – Incentive-o a beber água

Isso é válido para todas as idades, porém, no caso dos cães idosos, mais importante ainda. Como eles tendem a fazer menos exercícios, pode ser que não procurem água com tanta frequência. É preciso observar.

4 – Visite regularmente um médico veterinário

O ideal é levar seu pet a cada seis meses a uma consulta, para manter os exames em dia e avaliar peso e demais características físicas que possam indicar o aparecimento de alguma doença relacionada a idade.

5 – Atividades físicas diárias

Essas atividades podem ser resumidas a pequenos passeios em horários nos quais a temperatura esteja mais baixa, ou seja, logo pela manhã ou no fim da tarde.

O tempo recomendado é de, no máximo, 30 minutos. Nesse período ele pode se socializar com outros cães e se manterem ativos, afastando o risco da obesidade.

6 – Brincadeiras e afeto

Embora a energia não seja a mesma de antes, é fundamental incentivar seu cão a brincar e dedicar algumas horinhas do dia para lhe dar atenção e carinho. Isso vai evitar que ele se sinta triste e apático.

7 – Manter os móveis da casa no mesmo lugar

Isso evita acidentes, já que o cachorro passa a ter uma visão prejudicada com o tempo. Alguns chegam até mesmo perdê-la. Se os móveis e pertences do animal ficarem sempre no mesmo lugar, ele é capaz de encontrá-los com mais facilidade.

Mas de todas as dicas, talvez a mais importante seja essa: tenha paciência! Cuidar de um animal idoso requer muita força de vontade e dedicação.

É preciso lembrar que, assim como nós quando atingimos a velhice, eles voltam a se comportar e demonstrar as mesmas necessidades de quando eram pequenos.

No fim das contas, todo o esforço vale à pena, pois a amizade e o amor são incondicionais.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS