42% dos restaurantes que atuam só com delivery aumentaram preços

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação da alimentação no setor chegou a 13,27%

(Foto de Norma Mortenson no Pexels)

O peso da inflação e da necessária digitalização dos negócios no setor dos restaurantes está chegando ao bolso dos consumidores. Para acomodar os aumentos da eletricidade, combustível e até dos próprios produtos alimentícios as empresas precisaram aumentar o preço para o consumidor.

Entre as que operam exclusivamente com o sistema delivery, 42% optaram por essa saída para manter as contas em dia. Outros 50% revelaram que fizeram ajustes nos cardápios nos últimos seis meses.

Os dados são de um levantamento da Associação Nacional de Restaurantes (ANR), em parceria com a Galunion Consultoria e o Instituto Foodservice Brasil (IFB), que ouviu 800 empresas de diversos perfis, de redes a independentes, em todos os Estados brasileiros.

Inflação

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação da alimentação no setor chegou a 13,27%, sendo que o índice chegou a passar de 30% no caso de proteínas e embalagens. Diante do cenário, Fernando Blower, diretor executivo da ANR, afirma que, embora o setor tenha tentado segurar os preços ao máximo, os estabelecimentos serão obrigados a repassar alguns valores aos consumidores.

“É preciso analisar dois momentos no contexto da pandemia. O primeiro, quando todo o setor foi fechado por mais de 100 dias em 2020 e encontrou no delivery o único modo de sobreviver. Agora, mais recentemente, o setor está aberto e na maior parte do país já opera sem restrições. Mas o movimento não voltou ao período pré-pandemia e a inflação já impacta os negócios”, afirma Blower.

LEIA TAMBÉM

Mesmo com a reabertura gradativa dos salões dos restaurantes, o delivery continua a representar uma parcela significativa do faturamento do setor. Segundo a pesquisa, a participação saltou de 24% pré-pandemia para 39% em média atualmente. Além disso, 85% dos estabelecimentos pretendem manter este canal de vendas.

Para essa retomada, as principais expectativas de bares e restaurantes em relação a seus fornecedores são:

  • 83% – produtos com melhor custo/benefício
  • 46% – incentivo financeiro (crédito, prazos)
  • 38% – mais inovação em produtos e soluções
  • 25% – informações relevantes, treinamento e inspirações práticas
  • 23% – ajuda com transformação digital

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDinheiro: especialista explica quando o assunto deve entrar na vida das crianças
Próximo artigoBebê levada a hospital com traumatismo morre e tios vão responder por homicídio