2022: principal desafio para 78% dos prefeitos é recuperar a economia local

Para 21% das prefeituras tem sido difícil, inclusive, manter as próprias contas em dia

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Para 78,2% dos prefeitos brasileiros, o principal desafio a ser enfrentado em 2022 será recuperar a economia local, afetada pela pandemia da covid-19. Os dados são de uma pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM), que ouviu gestores de 4.362 cidades do país.

Ainda de acordo com o levantamento, 78% dos prefeitos também estão preocupados com medidas para estimular a geração de empregos. E quase 75% pensam nos desafios para auxiliar a população mais vulnerável ao longo do próximo ano.

Gestão em dia

A pesquisa revelou ainda que muitos prefeitos já enfrentam desafios para manter as contas das prefeituras. Cerca de 21% deles informaram que estão com pagamentos de fornecedores atrasados, por exemplo.

Desse total de prefeituras, 66,8% têm atraso de um a três meses; 9,7% de quatro a seis meses, 2,7% de 10 a 12 meses. Outros cerca de 16% dos Mmunicípios possuem atrasos de mais de um ano.

Para 8% das prefeituras, aliás, não será possível fechar 2021 com as contas no azul.

13º salário

A CNM também quis saber como e quantos prefeitos conseguiram quitar o 13º salário dos servidores. A estimativa é que o benefício de final de ano ionjete cerca de R$ 27,7 bilhões na economia.

Para cerca de 88% das prefeituras, ter recebido 1% a mais do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) foi essencial para o pagamento do salário extra.

Segundo a pesquisa, 90% dos municípios conseguiram cumprir o cronograma da folha de pagamento. Outros 6,2% afirmaram que pode haver atrasos. Além disso, 52,4% das prefeituras pagaram o 13º salário de forma parcelada.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmpresários de Cuiabá encerram o ano com confiança na economia
Próximo artigoQueda de 90% em mortes