20% dos brasileiros não ficam mais de 30 minutos longe do celular

E 40% deles têm passado mais tempo à frente da tela do celular desde o início da pandemia

(Foto: Criado por jcomp - br.freepik.com)

Como e para que você usa seu celular? Para 20% dos brasileiros é impossível ficar mais que meia hora longe do aparelho. E outros 19% conseguem estender esse tempo por, no máximo, 60 minutos.

Essa foi a revelação de uma pesquisa encomendada pela Digital Turbine, plataforma de mídia de apps pré-instalados em smartphones.

O levantamento, realizado em agosto com cerca de 846 brasileiros, mostrou ainda que 40% deles têm passado mais tempo à frente da tela do celular desde o início da pandemia. E outros 59% acreditam que não vão diminuir esse hábito, mesmo quando todas as medidas restritivas geradas pelo novo coronavírus passarem.

O que eles tanto fazem?

A empresa, claro, quis saber o que esses brasilerios tanto fazem com o celular nas mãos e, principalmente, se têm o hábito de comprar pela internet usando os smartphones.

O resultado encontrado foi que 92% responderam já ter feito compras pelo celular. Para 30% essa forma de consumo aumentou com a pandemia e outros 18% só a iniciaram, justamente, por causa dela.

Além disso, 68% das pessoas já preferem comprar pelo celular do que pelo computador. Apesar disso, a maior parte dos entrevistados disse achar mais fácil navegar pelos sites de compra em ispositivos maiores.

Há também quem ainda não considere a compra online pelo celular muito segura. Essas pessoas somaram 24% dos entrevistados.

Delivery e farmácia são as compras mais comuns por aplicativo e o iFood lidera a lista de apps que já estavam nos celulares dos brasileiros antes da pandemia e também a dos mais baixados após a chegada do novo coronavírus ao país.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem doses de reforço
Próximo artigo“Precisamos de uma revolução no sistema tributário”, diz idealizador do imposto único