20 dias de “plano de guerra” e governo de MT só habilitou 40 novos leitos de UTI

Quatro municípios receberam novos leitos dos 160 anunciados pelo governo no início de março

(Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Passados 20 dias, pouco menos que 40 leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) foram abertos em Mato Grosso no “plano de guerra” do governo do Estado para conter o avanço de casos graves da covid-19. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) habilitou 37 vagas, o que corresponde a 23% dos 160 leitos anunciados. 

Os municípios que receberam esses leitos a mais são Várzea Grande, com 9 vagas no Hospital Metropolitano e 10 no hospital pronto-socorro; Nova Mutum (5); Campo Verde (5) e Água Boa (8). 

O anúncio de novos leitos foi feito no dia 10 de março, semana em que a taxa de ocupação de UTIs – as exclusivas para pacientes da covid-19 – atingiu a capacidade máxima na rede estadual de combate à pandemia. 

Na data, cerca de 80 pacientes com quadro grave da doença esperavam na fila do Sistema Único de Saúde (SUS) pela abertura de vagas. No início desta semana, o tamanho da fila havia ultrapassado 200 pessoas. Nesse número flutua a cada 24 horas. 

Conforme a SES, a instalação de leitos deve cumprir critérios técnicos conforme o grau de complexidade da vaga oferecida. No caso de UTI, é necessário a contratação de médico rotineiro, médico com habilitação em terapia intensiva, fisioterapeuta, enfermeiros, técnicos de enfermagem, além de auxiliares administrativos.

LEIA TAMBÉM

De janeiro a março, foram instalados 100 novos leitos de UTI. Os leitos de enfermaria, com menos exigência para a habilitação, tiveram incremento de 145 novas vagas somente em março. No plano de guerra, o governo anunciou 500 leitos de enfermaria.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem flagra estupro, grita com suspeito e o faz fugir correndo
Próximo artigoSete em cada 10 famílias cuiabanas possuem alguma conta parcelada