10 de novembro de 2017 - 13:30

Doria diz não crer que destituição de Tasso aumente a crise no PSDB

Doria (PSDB), afirmou nesta sexta-feira, 10, que a decisão de destituir o senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB, tomada na quinta-feira, 9, pelo senador Aécio Neves (MG), não devera aumentar a crise que o partido atravessa.

, da Redação

pautas@olivre.com.br

Reprodução / Estadão

Doria

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta sexta-feira, 10, que a decisão de destituir o senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB, tomada na quinta-feira, 9, pelo senador Aécio Neves (MG), não devera aumentar a crise que o partido atravessa. Para o prefeito, por uma questão de equidade, é razoável que quem conduza o processo eleitoral não tenha o comando da legenda às vésperas da convenção nacional. 


"Vamos interpretar menos como uma ação em relação ao senador Tasso e mais como uma ação voltada para a isonomia, disse o tucano, após anúncio de entrega da 8ª Carreta do Idoso, na sede da Prefeitura. "Tenho convicção de que a partir de 9 de dezembro o PSDB estará pacificado", emendou.

Aécio anunciou na quinta a saída de Jereissati do comando interino da sigla e indiciou como substituto o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman. O gesto gerou forte reação dentro do PSDB, acirrando os ânimos da ala que defende a saída da base aliada do governo Temer.

Sobre a indicação de Goldman, com quem discutiu publicamente há cerca de um mês, Doria afirmou que os dois já pediram desculpas sobre o episódio e que a relação de ambos está "zerada". "Torço para que ele consiga conduzir com equilíbrio, com serenidade, esse processo de transição para a nova direção do PSDB", acrescentou.

Doria disse ainda entender que, se não houver convergência entre as candidaturas de Tasso e do governador de Goiás, Marconi Perillo, nesses 30 dias até a eleição da nova executiva do partido, um terceiro nome pode ser a solução para pacificar o PSDB. Ele, no entanto, não quis dar pistas sobre quem poderia ser o candidato de consenso. "É cedo ainda (para falar nessa terceira via), vamos tentar um entendimento entre os dois que se dispuseram a ser candidato."

(Com Agência Estado)