16 de abril de 2017 - 08:27

Delação dá força a Doria na corrida presidencial

Executivos implicam outros presidenciáveis do PSDB

da Redação

Assessoria PSDB

João Doria

 

A bomba era esperada. Os estragos dela, no entanto, surpreenderam. A divulgação dos conteúdos da delação da empreiteira Odebrecht, na semana passada, atingiu figuras emblemáticas e estraçalhou partidos a pouco mais de um ano da eleição presidencial. O jornal O Estado de S.Paulo ouviu estudiosos e políticos de diferentes matizes e quase todos concordam que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), por enquanto, é o maior beneficiado pela hecatombe.

Depois dele, Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e até Jair Bolsonaro (PSC) podem se fortalecer para uma eventual disputa se permanecerem fora do extenso grupo de implicados na Odebrecht. Mas a vantagem de Doria é que as revelações feitas pelos executivos da Odebrecht e a amplitude da lista de implicados podem reforçar nos eleitores uma forte reação aos chamados políticos tradicionais, alvo do discurso e do marketing pessoal do prefeito paulistano.

"Está mais fácil pensar 2022 do que 2018", ironizou Marco Antônio Teixeira, professor de Ciência Política da FGV-SP. "Tudo indica que a força da gravidade vai levar o Doria às eleições." Alguns dos ouvidos ainda apontaram alternativas para políticos atingidos em cheio pelas delações, mas lembram que, além das condições políticas e eleitorais, eles terão de reunir as jurídicas. Nesse grupo, quem tem a situação mais complicada é o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva, que já se lançou candidato pelo PT e, em pesquisas recentes, tinha mais de 20% de intenção de voto.

PT

"A semana passada destruiu a respeitabilidade ou o pouco que restava dela de todo o mundo político", resumiu o professor da USP Lincoln Secco. "O PT, embora atingido pelas delações, tem o principal candidato, que ninguém sabe se vai poder concorrer", afirmou. Não bastasse o desgaste político provocado pelas delações da Odebrecht, Lula é alvo de inquéritos na Justiça (é réu em cinco casos). Desde terça-feira passada, quando o Estadão revelou a lista com os pedidos de investigação do ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, cresceu dentro do PT o temor de que Lula seja impedido pela Justiça, por meio de condenações e até de uma prisão, de concorrer em 2018.

"O status do Lula com o Judiciário será muito importante porque, neste momento, não há outro candidato no PT. No PSDB, o grau de implicação de cada um na Lava Jato poderá desempatar, digamos assim, eventuais disputas", afirmou o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e os senadores Aécio Neves e José Serra são os tucanos sempre lembrados como presidenciáveis. Os três estão na lista de Fachin. Doria, até agora, não apareceu na investigação. "Uma candidatura Doria pode oxigenar o PSDB e ainda resolver um problema crônico, que é a dificuldade de unir o partido", disse Cortez. 

Políticos com cargos de direção no PSDB, PMDB, DEM e até no PT também afirmaram, sob a condição de anonimato, que a candidatura presidencial de Doria tornou-se uma realidade porque ele comanda o terceiro maior orçamento do País, está bem avaliado (43% aprovam a gestão dele, segundo o Datafolha) e, apesar de estar há meses no cargo, mantém a imagem de ainda ser um empresário.

As chances de Ciro dependem de Lula. Caso o petista viabilize sua quinta candidatura a presidente, Ciro terá de disputar com ele o voto do campo da centro-esquerda e do Nordeste, onde ambos têm força. "Ele justamente tem tentado se colocar como uma volta do lulismo sem o Lula, principalmente na questão regional", disse o cientista político da Unicamp Jean Tible. Sobre Marina, Carlos Melo, do Insper, afirmou que ela perdeu capital político após o terceiro lugar nas eleições de 2014. Para ele, contudo, ela ainda pode surpreender. Mesmo não aparecendo tanto, ela tem o que ele chama de "recall alto" e sempre arremata bom número de votos. 

(Com Agência Estado)