14 de junho de 2017 - 15:43

Valtenir desbanca Mauro Mendes e volta à presidência do PSB

Bancada de deputados ameaça debandar da sigla com retorno

Laíse Lucatelli

, da Redação

laise.lucatelli@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

 Deputado VALTENIR PEREIRA

 Valtenir retorna ao PSB depois de quatro anos

O deputado federal Valtenir Pereira deixou o PMDB e, depois de quatro anos, retornou ao PSB como presidente da sigla em Mato Grosso. A mudança, concretizada na tarde desta quarta-feira, 14, em Brasília (DF), abriu uma crise na cúpula do partido no Estado.

Até maio, o presidente regional do PSB era Fábio Garcia, destituído por desobedecer a orientação do partido, ao votar a favor da reforma trabalhista. “Acabo de ser informado pelo presidente do PSB Nacional, Sr. Carlos Siqueira, que o deputado federal Valtenir Pereira se filiará ao PSB hoje e assumirá a presidência do Partido no estado”, informou Garcia em nota aos correligionários.

Garcia lembrou que Valtenir também votou a favor da reforma trabalhista, e colocou em xeque o argumento usado pela direção nacional para destituí-lo. “A notícia demonstra a completa falta de coerência do partido”, afirmou.

A bancada de deputados estaduais e federais do PSB tentava emplacar o ex-prefeito de Cuiabá e ex-presidente do partido, Mauro Mendes, como sucessor de Garcia na direção da sigla.

O retorno de Valtenir está sendo mal recebido pelo grupo, que avalia se desfiliar do PSB em debandada. A cúpula do partido deve se reunir durante o feriadão para definir a estratégia de ação.

“Foi surpresa para nós, porque estávamos aguardando a nomeação do Mauro”, disse o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB). “A princípio existe uma tendência muito grande de sair do partido. Precisamos discutir com calma, com cabeça fria. Mas é evidente que estamos todos atônitos, porque nós que organizamos o partido, trabalhamos pelo crescimento dele no estado. Lógico que não estamos satisfeitos com isso. É desagradável ser tirado dessa forma”, avaliou.

A bancada do PSB é formada por dois deputados federais, Fábio Garcia e Adilton Sachetti, e quatro estaduais: Oscar Bezerra, Mauro Savi, Eduardo Botelho e Max Russi – este último licenciado para comandar a Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas). A cadeira de Russi na Assembleia é ocupada por outro membro do PSB, o suplente Adriano Silva.

O retorno
Em meio a brigas com o grupo liderado por Mauro Mendes e pelo casal Oscar e Luciane Bezerra, que criticavam seu perfil centralizador, Valtenir deixou o PSB em 2013 para fundar o PROS, e levou consigo 11 dos 12 prefeitos do partido.

Desde então, passou pelo PMB e atualmente está no PMDB. O PSB só começou a se recuperar do baque nas eleições de 2014, quando elegeu três deputados estaduais e dois federais. Em 2016, a sigla elegeu 15 prefeitos.

Antes de deixar o PSB, Valtenir foi acusado pelos rivais de tentar um golpe para se perpetuar na presidência do partido, realizando uma eleição para o diretório sem a devida publicidade. Por outro lado, o deputado foi excluído pelo grupo de Mendes em articulações estratégicas da sigla, inclusive junto à direção nacional.

Na época, Valtenir ainda aproveitou a saída do PSB para permanecer na base da então presidente Dilma Rousseff (PT), em um momento em que o PSB migrava para a oposição. Em 2016, já no PMDB, ele votou contra o impeachment.

Agora o deputado compõe a base de sustentação do presidente Michel Temer (PMDB), e seu retorno ao PSB significa uma guinada para a oposição. A sigla deixou a base do governo peemedebista e tirou posição contra as reformas trabalhista e previdenciária.

Leia mais