08 de janeiro de 2018 - 15:45

TRE cassa prefeito e vice por oferecer exames gratuitos durante eleição

Gestores de Ribeirão Cascalheira ainda foram condenados ao pagamento de R$ 10 mil em multas

Mikhail Favalessa

, da Redação

mikhail.favalessa@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

Tribunal Regional Eleitoral

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cassou, por unanimidade, o prefeito de Ribeirão Cascalheira, Reynaldo Fonseca Diniz (PR), e seu vice-prefeito, Gleison Oliveira da Silva (PSB), por compra de votos durante as eleições de 2016. A campanha de Reynaldo Diniz teria oferecido exames oftalmológicos gratuitos a 460 eleitores, em troca de votos.

Os dois gestores foram multados em R$ 10 mil e ficaram inelegíveis pelos próximos oito anos. O juiz eleitoral Ricardo Gomes de Almeida era o relator da ação, movida pela coligação “Unidos Pelo Desenvolvimento de Ribeirão Cascalheira”.

De acordo com a acusação, o prefeito teria utilizado o ex-secretário de Saúde do município Jair Barros Lima para trabalhar na campanha durante o horário de expediente – o ex-secretário também ficou inelegível por oito anos.

“Alega, em linhas gerais, que o candidato eleito Reynaldo utilizou-se do serviço do Secretário de Saúde para trabalhar na sua campanha eleitoral, constituindo-se em conduta vedada aos agentes públicos. Salienta que existem denúncias de que Jair Barros Lima realizou 460 exames oftalmológicos gratuitos à população visando captar votos; que ele possui interesse direto no resultado das eleições”, diz trecho de uma decisão anterior da juíza eleitoral Janaína Cristina de Almeida.

A defesa do prefeito e do vice afirmava que o secretário “nunca abusou do horário de expediente para trabalhar em prol da campanha”. Os gestores confirmaram que os exames foram realizados, mas afirmaram que os atendimentos não foram financiados com dinheiro público.

Sobre a utilização dos serviços do secretário, o prefeito cassado afirmou que Jair Lima esteve “muitas vezes no comitê”, mas não exercia nenhuma função na campanha. Os então candidatos “não souberam informar se o sr. Jair era um expositor do plano de governo do candidato à população, se buscava apoio político, se frequentava os comícios e participava de carreatas do sr. Reynaldo. Disseram apenas que não presenciaram referidos fatos”.