15 de julho de 2017 - 11:27

Taques propõe sociedade a bolivianos na MT Gás

Parceria comercial foi um dos temas de encontro realizado na sexta-feira (14) em Santa Cruz de la Sierra

da Redação

Maria Anffe/Gcom-MT

taques

O governador Pedro Taques se encontra com o ministro de Hidrocarburetos e Energia da Bolívia, Luis Alberto Sánchez, e diretores da YPFB.

O governador Pedro Taques ofereceu sociedade ao governo da Bolívia na operação da Companhia Mato-Grossense de Gás (MT Gás), empresa de economia mista responsável pela distribuição do gás natural boliviano no Estado.

A parceria comercial foi um dos temas do encontro realizado na sexta-feira (14) entre o governador e o ministro de Hidrocarburetos da Bolívia, Luis Alberto Sánchez, em Santa Cruz de la Sierra.

"[Há] interesse de Mato Grosso para que a empresa boliviana de captação e fornecimento de gás, a YPFB, presidida por Óscar Barriga Ortega, possa se tornar sócia do MT Gás", disse o gabinete de comunicação, em nota à imprensa.

Uma comitiva do país vizinho virá ao Estadi na próxima semana para, segundo a nota, "iniciar os estudos de parceria para fornecimento do gás"."A parceria depende de questões legais que estão sendo estudadas pelos dois Governos", esclareceu o governador.

O negócio depende também das definições comerciais da Petrobras, que tem a prioridade na compra do gás boliviano. Se concretizada a previsão de queda na demanda a partir de 2019, a chance de parceria com Mato Grosso aumenta.

“O contrato firme depende da Petrobrás. Para isso, já conversamos durante a reunião com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e com o presidente da Petrobrás e faremos um seminário em Cuiabá no dia 08 de agosto para tratarmos disso”, afirmou o governador.

Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul também declararam interesse em fechar contrato com a YPFB. "Mato Grosso pleiteia a importação de quatro milhões de metros cúbicos, por dia", diz o governo.

Ureia
Outro tópico discutido no encontro foi a importação de ureia, que é um insumo agrícola de interesse dos produtores de Mato Grosso. A possibilidade só é viável, no entanto, com a pavimentação dos 315 quilômetros da rodovia que liga a cidade de San Matias (fronteira com Cáceres) a San Ignacio de Velasco.

"Importamos da Rússia boa parte da ureia e temos interesse de adquirir o fertilizante produzido na Bolívia. Mato Grosso consume mais de 600 mil toneladas, que será a capacidade de produção da planta boliviana. Somos responsáveis por mais de 25% da produção nacional, é muita coisa. Somos o maior produtor de milho, soja e algodão do Brasil", afirmou o governador, na nota.