14 de junho de 2017 - 15:13

Silval entregou esquema de Riva em confissão

Ex-deputado teria organizado propina paga por administradora dos empréstimos a servidores do Estado

Mikhail Favalessa

, da Redação

mikhail.favalessa@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

José Riva_240217

Ex-deputado José Riva durante depoimento na 7ª Vara Criminal de Cuiabá

O ex-governador Silval da Cunha Barbosa (PMDB) confessou ter dado aval ao ex-deputado José Geraldo Riva (sem partido) em um esquema de cobrança de propina da empresa reponsável pela gestão dos empréstimos consignados aos servidores estaduais.

Segundo o depoimento, a Consignum, de propriedade do empresário Willians Paulo Mischur, pagou R$ 1 milhão por mês ao esquema, dos quais R$ 250 mil eram destinados ao ex-deputado, que já confirmou anteriormente ter recebido a propina. Silval recebeu o direito à prisão domiciliar na terça-feira, depois de um ano e oito meses no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

O esquema, de acordo com Silval, começou a ser articulado por Riva entre dezembro de 2013 e o início de 2014, quando o deputado o procurou para propor a susbtituição da Consignum pela Zethra Gestão de Benefícios Consignados. Em defesa da mudança, disse o ex-governador, Riva argumentou que a nova empresa estaria disposta a pagar R$ 1 milhão por mês aos envolvidos.

Silval concordou, e até tentou executar o plano, mas a Consignum obteve uma decisão judicial que suspendeu o processo. Willians Mischur procurou Silval por várias vezes, até que os dois se encontraram na casa do irmão de Silval, Antônio da Cunha Barbosa Filho.

O ex-governador disse que encaminhou o dono da Consignum a José Riva, para que eles acertassem os valores. O Ministério Público Estadual já pediu que o ex-deputado seja condenado por receber propina e participar de fraude a licitações na segunda fase da Sodoma.

A decisão de livrar Silval do CCC foi dada pela juíza Selma Rosane Arruda, da 7ª Vara Criminal. Ela acatou o pedido da defesa para converter três prisões preventivas em prisão domiciliar.

O argumento foi que os processos das primeiras fases da operação estão em fase final e que ele confessou os crimes e ainda colocou valores à disposição da Justiça: R$ 46 milhões.

Veja mais