19 de maio de 2017 - 12:58

Senador Wellington Fagundes defende que Temer permaneça no cargo

Ele pede cautela e cobra agilidade nas investigações; outros dois parlamentares de MT têm a mesma posição

da Redação

pautas@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

Senador Wellington Fagundes.


O senador Wellington Fagundes (PR) emitiu nota nesta sexta-feira, 19, cobrando agilidade na apuração das denúncias contra o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB), que constam na delação da JBS na Operação Lava Jato. Apesar de não ter dito claramente sua opinião sobre a renúncia de Temer, ele deu sinais que defende a permanência do presidente no cargo até que o caso seja apurado. A reportagem do LIVRE entrou em contato com a assessoria do senador, que confirmou que Fagundes defende a permanência do presidente .

“O momento é de preocupação e exige de todos muita cautela”, disse Fagundes na nota. “As denúncias envolvendo o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves, do PSDB de Minas Gerais, são sérias e precisam de esclarecimentos mais profundos. É importante que as instituições responsáveis pela apuração tenham agilidade para evitar transtornos maiores de ordem nacional. Com diálogo e diante dos fatos, seguramente trabalharemos para que seja encontrada a melhor solução para o povo brasileiro.”

Na tarde de quinta-feira, 18, Temer fez um pronunciamento para dizer que não renunciará. Pouco tempo depois, foram divulgados os áudios das conversas gravadas pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS. No diálogo, Joesley relata a Temer que estava pagando propina para que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha ficasse calado e que havia cooptado juízes e procuradores da Lava Jato.

Posicionamento da bancada de MT
Assim como Fagundes, dois parlamentares da bancada federal de Mato Grosso são favoráveis à permanência de Temer até que o caso seja esclarecido – o senador Cidinho dos Santos (PR) e o deputado Victorio Galli (PSC). Outros cinco parlamentares defendem a renúncia: o senador José Medeiros (PSD) e os deputados Ságuas Moraes (PT), Nilson Leitão (PSDB), Adilton Sachetti (PSB) e Ezequiel Fonseca (PP). Este último é do partido do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. 

A reportagem também tentou contato com o senador os deputados federais Fábio Garcia (PSB), Carlos Bezerra (PMDB) e Valtenir Pereira (PMDB), mas eles não atenderam às ligações. 

Leia mais