11 de outubro de 2017 - 17:59

Perri autoriza buscas na residência do cabo Gérson

Militar cumpre outra prisão preventiva no caso e está detido no Centro de Custódia da Capital

Mikhail Favalessa

, da Redação

mikhail.favalessa@olivre.com.br

Tribunal de Justiça

Orlando Perri desembargador

Desembargador determinou nova prisão e busca pelos equipamentos dos grampos

O desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, determinou a prisão preventiva do cabo Gerson Luiz Ferreira Correa Junior, envolvido no caso dos grampos telefônicos. Em decisão desta quarta-feira (11), o magistrado ainda autorizou a realização de busca e apreensão na residência do militar com o objetivo de encontrar, entre outras provas, os equipamentos do Sistema Sentinela, utilizado para as interceptações ilegais.

Gerson está preso desde maio e se encontra atualmente no Centro de Custódia da Capital (CCC) – ele foi transferido para a unidade depois de deixar o Batalhão da Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel) para ir a uma boate na capital.

A prisão e o mandado de busca e apreensão foram determinados a pedido da delegada Ana Cristina Feldner, responsável pelas investigações dos grampos na Polícia Judiciária Civil (PJC). O Ministério Público Estadual (MPE) se manifestou favorável aos pedidos.

A decisão foi dada em um inquérito que apura a existência de uma organização criminosa responsável pelos grampos. Perri argumenta que o cabo teve participação “relevantíssima” para o sucesso das interceptações ilegais – Gerson era responsável pelos pedidos enviados à Justiça que continham os números das vítimas.

O militar também seria o principal operador dos sistemas Wytron e Sentinela, utilizados para grampear deputados, jornalistas, desembargador, advogados, médicos, membros do Ministério Público, além de outras pessoas de interesse da cúpula do governo do Estado.

De acordo com depoimento do empresário José Marilson da Silva, que desenvolveu o Sentinela, o equipamento dos grampos teria sido retirado da empresa Titânia por Gerson e mais dois homens ainda não identificados.