12 de setembro de 2017 - 15:44

Paulo Prado é o relator do procedimento contra Mauro Zaque

Governador Pedro Taques quer que Zaque seja impedido de atuar em ações contra membros do Executivo Estadual

Mikhail Favalessa

, da Redação

mikhail.favalessa@olivre.com.br

Edson Rodrigues

Paulo Prado_01012017

O ex-procurador-geral de Justiça Paulo Prado foi escolhido como relator do pedido de suspeição contra o promotor Mauro Zaque em processos que envolvam a gestão atual do governo do Estado. O procedimento foi aberto a pedido do governador Pedro Taques (PSDB), que acusa Zaque de atuar politicamente em ações contra ele e membros de seu governo.

Prado deve apresentar seu relatório na próxima reunião do Conselho Superior do Ministério Público, a ser realizada no dia 02 de outubro.

Taques pede que Zaque seja impedido de “investigar, processar, manifestar-se, ou de qualquer modo atuar, em todos os processos administrativos e judiciais” que envolvam o governador ou secretários.

O promotor foi secretário de Estado de Segurança Pública no primeiro ano do governo Taques, entre janeiro e dezembro de 2015. Já em 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) emitiu uma decisão proibindo membros do Ministério Público de atuarem em funções do executivo em todo o país.

Mauro Zaque é responsável pela denúncia de grampos telefônicos realizados por militares ligados à cúpula do governo.

No requerimento, Taques cita uma fala do promotor se dizendo suspeito para investigar membros do governo. "Assim, como ocupei o cargo de Secretário Estadual de Segurança Pública durante o ano de 2015, integrando a equipe do atual governo, não há como, ao menos por enquanto, se sentir confortável em presidir investigação de tamanha envergadura que, fatalmente, independente do resultado, conduzirá a certeira suspeição prejudicando sobremaneira o objeto do presente inquérito civil", disse o promotor.

Segundo Taques, Mauro Zaque, de repente mudou de opinião. “Enfim, subitamente, o promotor excepto passou a se "sentir confortável" em investigar atos do atual governo, embora ainda permaneça a causa objetiva de impedimento (ele participou do primeiro escalão do governo)”, afirma o governador.

O argumento utilizado é de que Mauro Zaque já trabalhou para a consolidação do programa de governo de Taques e por isso não teria a isenção necessária para atuar em ações que envolvam o mesmo programa.

Taques elenca ainda diversas matérias jornalísticas em que é descrito um clima de animosidade instalado entre os dois desde que o promotor deixou o secretariado.

Mauro Zaque conduz dois inquéritos contra secretários do governo. Em um deles, o secretário de Comunicação, Kleber Lima, é acusado de abuso moral, sexual contra servidores além de improbidade administrativa. Em outro, o secretário de Infraestrutura, Marcelo Duarte Monteiro, é suspeito de atos de improbidade administrativa em obras de pontes na rodovia Transpantaneira.

Taques pede que qualquer investigação sob responsabilidade de Zaque que envolva membros do governo seja suspendida.