10 de agosto de 2017 - 15:52

MPE pede cassação de Lucimar por compra de votos

Manifestação também cobra perda de mandato do presidente da Câmara de Vereadores, Chico Curvo

Laura Nabuco

, da Redação

laura.nabuco@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos

O Ministério Público Estadual (MPE) se manifestou pela cassação da prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), e do presidente da Câmara de Vereadores, Chico Curvo (PSD).

Eles são acusados de compra de votos em uma ação de investigação judicial eleitoral proposta pela coligação Mudança com Segurança que, em 2016, lançou o ex-deputado estadual Pery Taborelli (PSC) como candidato a prefeito. O ex-parlamentar ficou em segundo lugar no pleito.

Em junho, uma decisão do juiz Carlos José Rondon Luz já havia cassado o mandato da prefeita sob a acusação de gastos com publicidade em período proibido pela legislação. A prefeita recorreu, mas a sentença foi mantida. O caso tramita agora no Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A acusação de compra de votos é embasada no vídeo de uma reunião que Chico Curvo e o ex-presidente do Departamento de Água e Esgoto (DAE), Eduardo Abelaria Vizotto, promoveram com eleitores em setembro do ano passado.

Vizotto foi afastado do cargo ainda em setembro, por determinação da juíza da 20º Zona Eleitoral, Ester Belém Nunes, responsável pela ação que pede a cassação da prefeita e do presidente da Câmara.

Na reunião, o ex-presidente do DAE e o vereador teriam prometido resolver os problemas de falta de água furando poços artesianos o que, na avaliação do promotor de Justiça, comprometeu “claramente a liberdade de escolha dos eleitores ali presentes e também daqueles que tiveram conhecimento do que foi falado".

Ainda conforme o parecer do MPE, Lucimar não estava presente no ato, mas trechos do vídeo revelam que Vizotto afirmou ter sido designado por ela para representá-la.

Por meio de nota, a defesa da prefeita Lucimar Campos afirmou não existir provas de que houve compra de votos.

A reportagem do LIVRE não conseguiu contato com o vereador Chico Curvo.

Confira a íntegra da nota de esclarecimento:

A Assessoria Jurídica da prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, e do vice-prefeito, José Aderson Hazama, a respeito da informação da existência do parecer do Ministério Público Eleitoral, proferido em processo eleitoral manejado em desfavor dos mesmos, vem a público informar:

1. Não existe no processo nenhuma prova de que houve compra de votos, benefícios de qualquer natureza em troca de votos ou qualquer outra atitude que ofenda a Legislação Eleitoral;

3. Reafirmamos que a campanha vitoriosa da prefeita e do vice-prefeito, foi transparente, legítima, legal e verdadeira, sendo que as contas da referida campanha eleitoral foram aprovadas sem ressalvas;

4. A Prefeita Lucimar e o Vice Hazama foram eleitos com quase 80% dos votos válidos, fato que comprova que a população de Várzea Grande escolheu de forma clara quais são as pessoas legitimadas para dirigir o futuro da cidade nos próximos 4 (quatro) anos;

5. A Prefeita Lucimar e o Vice Hazama continuarão trabalhando fortemente em prol da população até e quando Deus assim permitir!
Ronimárcio Naves Advogados.

Leia mais