11 de agosto de 2017 - 21:17

Em Cuiabá, governadores da Amazônia cobram mais segurança na fronteira

“Servimos de passagem do narcotráfico para o resto do mundo com nossas fronteiras fragilizadas”, alertou o vice-governador do Amapá

Laíse Lucatelli

, da Redação

laise.lucatelli@olivre.com.br

Meneguini/Gcom

Fórum dos governadores Amazonia

A reivindicação por mais segurança na fronteira brasileira deu o tom do Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, na tarde desta sexta-feira (11), em Cuiabá. Diversos gestores defenderam a união de forças para cobrar do Governo Federal que invista na área para reduzir a entrada do narcotráfico no Brasil.

“Servimos de passagem do narcotráfico para o resto do mundo com nossas fronteiras fragilizadas”, alertou o vice-governador do Amapá, Papaléo Paes.

“O narcotráfico é nossa preocupação. É dramático olhar quase 100% dos jovens sendo destruídos”, desabafou o governador do Acre, Tião Viana.

O governador do Amazonas, David Almeida, destacou o volume de drogas apreendido no Estado. “Tendo a maior fronteira do Brasil, o Amazonas passou a ser o grande escoadouro da droga mundial. Nos últimos dois anos e meio, o governo do Amazonas apreendeu 28 toneladas de drogas”, informou.

“Servimos de passagem do narcotráfico para o resto do mundo com nossas
fronteiras fragilizadas”

“Não temos fronteira com outro país. Faço divisa com seis Estados brasileiros”, lembrou o governador do Tocantins, Marcelo Miranda. “Mas, se não combatermos o narcotráfico, [isso] vai nos atingir também”, disse.

Meio ambiente
A questão ambiental também foi tema de discursos dos gestores. No evento, os governadores assinaram a Carta de Cuiabá, criando o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável.

“Esse é um trabalho que começou há bastante tempo, e todos estamos imbuídos em encontrar soluções comuns para estes Estados da Amazônia Legal”, disse o governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB).

Para Marcelo Miranda (TO), o consórcio é fundamental para a participação na COP 23. Ele citou o consórcio Brasil Central como um exemplo de sucesso e disse que a Amazônia Legal seguirá pelo mesmo caminho.

O vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, também defendeu o modelo de união interestadual. “Um consórcio tem mais força. Isoladamente, não vamos conseguir muita coisa”, afirmou.

O governador de Rondônia, Confúcio Moura, defendeu também o compartilhamento de tecnologia. “O Pará em os melhores controles do país na área ambiental. O que um estado tem de bom, é preciso compartilhar com os outros”, declarou.

O próximo Fórum será realizado entre os dias 26 e 27 de outubro, em Rio Branco, no Acre.

Leia mais