25 de setembro de 2017 - 16:45

Venezuela diz que irá responder ao decreto anti-imigração dos EUA

A Venezuela qualificou como "hostil" a decisão dos Estados Unidos de impor restrições imigratórias a funcionários do governo do país e seus familiares e advertiu que pode aplicar medidas de reciprocidade

da Redação

, da Redação

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nicolás Maduro

A Venezuela qualificou como "hostil" a decisão dos Estados Unidos de impor restrições imigratórias a funcionários do governo do país e seus familiares e advertiu que pode aplicar medidas de reciprocidade.

Segundo comunicado do governo venezuelano, a medida está baseada em "falsas suposições" sobre uma ameaça terrorista, com o objetivo de "estigmatizar" a Venezuela sob o pretexto dos esforços contra o terrorismo.

No domingo, os EUA impuseram um decreto anti-imigração para os cidadãos de Chade, Irã, Líbia, Coreia do Norte, Somália, Síria, Venezuela e Iêmen, que devem entrar em efeito a partir do dia 18 de outubro. No caso da Venezuela, a suspensão dos vistos só será aplicada para alguns funcionários do governo e seus familiares.

"A Venezuela, no exercício de seus direitos soberanos, repudia as condutas imperialistas do governo dos EUA e informa que, de acordo com o princípio de reciprocidade, considerará todas as medidas necessárias para defender o interesse e a soberania nacional", de acordo com o comunicado.

O embaixador da Venezuela na Organização das Nações Unidas (ONU), Jorge Arreaza, afirmou nesta segunda-feira que o presidente americano, Donald Trump, agiu "como se fosse o imperador do mundo" em seu discurso na Assembleia Geral na semana passada. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.

(Com Agência Estado)