03 de maio de 2017 - 12:34

Coreia do Norte critica China por "ameaças" ao regime de Pyongyang

A tensão surgiu após Beijing tentar conter o programa nuclear do país vizinho

Da Redação

pautas@olivre.com.br

A Coreia do Norte atacou a "falta de sinceridade e traição" da China, em comentário publicado no fim da quarta-feira (hora local). Na avaliação do regime de Pyongyang, declarações da imprensa oficial chinesa são "uma ameaça sem disfarces" ao regime norte-coreano.

"A China não deve tentar testar os limites da paciência da DPRK", afirmou a Coreia do Norte em nota veiculada pela oficial Agência de Notícias Central Coreana, usando o acrônimo do nome formal do país, República Popular Democrática da Coreia.

Segundo o texto, a China deve ponderar sobre as "graves consequências" caso decida abalar as relações bilaterais. O comentário foi atribuído a uma pessoa identificada como Kim Chol e é veiculado no momento em que a China busca conter o programa de armas e o nuclear da Coreia do Norte, em meio à pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, e de outros membros da Organização das Nações Unidas.

As declarações mais recentes se referem a artigos recentes de duas publicações oficiais chinesas, o Diário do Povo e o Global Times, que aparentemente aludiam à possibilidade de Pequim confrontar militarmente a Coreia do Norte, ou encerrar os laços amigáveis entre os dois vizinhos e aliados, caso Pyongyang não interrompa seu programa de armas.

A posição mais dura da China em relação à Coreia do Norte, segundo o comentário, mostraria que Pequim está "dançando conforme a música dos EUA". No mês passado, o presidente chinês, Xi Jinping, foi recebido pelo presidente americano, Donald Trump, na Flórida. Trump ofereceu à China condições mais favoráveis de negócios, em troca da ajuda para enfrentar a ameaça norte-coreana.

O comentário desta quarta-feira não foi o primeiro da Coreia do Norte tendo como alvo a China. Em fevereiro, o país divulgou nota similar, naquele caso porém com um tom mais brando e sem se referir à China nominalmente, citando apenas "um país vizinho, que geralmente se refere a si próprio como 'vizinho amigável'". Fonte: Dow Jones Newswires.

(Com Agência Estado)