10 de outubro de 2017 - 09:19

Três em cada 10 casos de agressão têm relação com álcool

Seminário dos Alcóolicos Anônimos em Cuiabá vai discutir a relação entre a violência doméstica e o alcoolismo

da Redação

pautas@olivre.com.br

Reprodução

Violencia Domestica

Cerca 30% dos casos de violência doméstica atendidos pelo Ministério Público Estadual (MPE) envolvem pessoas que tem problema com alcoolismo. A afirmação é da promotora Lindinalva Correia Rodrigues, do Núcleo das Promotorias de Justiça Especializadas no Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Cuiabá.

De acordo com ela, esta realidade é constatada há, pelo menos, 10 anos por meio dos processos que tramitam no Núcleo e a maioria dos agressores sequer tem conhecimento de como funcionam grupos de ajuda, a exemplo do Alcóolicos Anônimos (AA).

“Estas pessoas cometem os crimes porque tem estas ações potencializadas pelo uso de álcool e não conseguem deixar esses vícios”, afirma.

A relação álcool e violência doméstica será um dos assuntos abordados durante a 16ª edição de um seminário promovido pelo AA em Cuiabá no próximo dia 19 de outubro. A proposta é reunir profissionais de diferentes áreas para falar sobre a doença.

Corregedora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Ana Cristina Silva Mendes, que atuou na Vara de Combate a Violência Doméstica da capital, também participará do evento. Além dela, a delegada Jorzilete Magalhães Crivetto, da Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Mulher de Cuiabá, confirmou presença.

“Sabemos que o debate de tão espinhoso assunto vai nos trazer norte e luz nesta questão de combate, tanto à equipe disciplinar quanto a outros operadores de direito”, pontuou a desembargadora.

Os impactos na saúde física e psíquica dos doentes também serão tratados no seminário, pelo médico Fernando Antônio dos Santos Silva, especialista em psiquiatria e medicina da família, e pela psicóloga Christina Guimarães.

AA
Presente em 180 países, Alcóolicos Anônimos acredita que o alcoolismo é uma doença física, mental e espiritual, progressiva, incurável e de término fatal. Uma vez que a pessoa tenha perdido a possibilidade de controlar a bebida, nunca mais é possível beber controladamente, em outras palavras, ele nunca pode tornar-se um “antigo alcoólico” ou um “ex-alcoólico”. Mas, em A.A., ele pode tornar-se um alcoólico sóbrio, um alcoólico em recuperação.

Para que isso seja possível, o AA sugere que os membros participem de um grupo, que realiza reuniões regulares, nas quais os membros relatam entre si suas experiências, forças e esperanças em seu processo de recuperação. Existem reuniões abertas para qualquer pessoa interessada e reuniões fechadas somente para alcoólicos.

Em Cuiabá, existem grupos de AA em diversos bairros. Para saber qual o mais próximo de sua casa e o horário das reuniões, você pode ligar no Escritório de Serviços Locais, telefones (65) 3321-1020 e (65) 99699-9554. Não é preciso se identificar.

O seminário que acontece no dia 19, será no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e a entrada é gratuita.