10 de abril de 2017 - 18:37

Abalada por escândalo, Fifa revela prejuízo de mais de R$ 1,1 bilhão em 2016

Entidade, que tem sua renda dependente basicamente da Copa do Mundo, espera reverter tudo isso em 2018

Da Redação

pautas@olivre.com.br

Se há alguns anos a Fifa nadava em dinheiro e distribuía presentes luxuosos a seus dirigentes, os novos números financeiros da entidade revelam uma situação bastante diferente. Depois da prisão de vários dos seus membros e da fuga de patrocinadores, a entidade revelou na sexta-feira que acumulou perdas em 2016 de US$ 369 milhões (aproximadamente R$ 1,16 bilhão).

Em 2015, as perdas já foram de US$ 112 milhões (R$ 352 milhões) e, para 2017, o buraco deverá ser ainda maior. A entidade, que tem sua renda dependente basicamente da Copa do Mundo, espera reverter tudo isso com o Mundial de 2018, para quando prevê uma receita de US$ 5,5 bilhões (R$ 17,3 bilhões). Mas dos 34 patrocinadores que esperava fechar, hoje conta com apenas dez deles.

Entre seus dirigentes, poucos escondem que a crise é uma das mais sérias de sua história. De acordo com o balanço financeiro da entidade, mais de US$ 70 milhões (mais de R$ 220 milhões) foram gastos pela Fifa apenas para pagar advogados na tentativa de se defender de processos nos Estados Unidos e na Suíça. Outros US$ 50 milhões (R$ 157 milhões) foram gastos em custos com tribunais. Para fazer frente a essa crise, a Fifa está retirando dinheiro de suas reservas estratégicas, criadas apenas para tempos de dificuldades.

Hoje, elas estão em US$ 1 bilhão (R$ 3,1 bilhões). Mas devem cair para US$ 600 milhões (R$ 1,89 bilhão) ao final do ano. Em todo o ano passado, a receita da Fifa foi de US$ 502 milhões (R$ 1,578 bilhão), com gastos de US$ 893 milhões (R$ 2,807 bilhões). Mas os dados mostram que a entidade continua com um comportamento de gastos consideráveis com seus cartolas, sempre hospedados em hotéis cinco estrelas.

Apenas para a reunião que elegeu para a presidência Gianni Infantino em fevereiro de 2016 foram gastos US$ 7,5 milhões (R$ 23,6 milhões). No total, ela distribuiu US$ 82 milhões (R$ 258 milhões) em salários, abaixo dos mais de US$ 100 milhões (mais de R$ 310 milhões) no ano da Copa do Brasil, em 2014. No ano, Infantino teve um salário de US$ 1,5 milhão (R$ 4,7 milhões), menos da metade do que Joseph Blatter chegou a receber. Outro fato que pesou foi a decisão de Infantino de usar o dinheiro da Fifa para distribuir para as federações nacionais, uma promessa de sua campanha e que resultou em votos.

A cada quatro anos, as 211 federações tem direito a US$ 5 milhões (R$ 16 milhões) cada. Ao divulgar o balanço, a "nova Fifa" criticou investimentos passados da entidade, como a construção do seu museu, cujo prejuízo foi de US$ 50 milhões (R$ 157 milhões) apenas no ano passado. Para voltar a ter lucros, a entidade terá de obter uma receita de US$ 4 bilhões (R$ 12,6 bilhões) em 2018, o que permitiria que suas reservas sejam elevadas a US$ 1,6 bilhão (R$ 5 bilhões).
(Com Agência Estado)