05 de janeiro de 2018 - 08:14

Programação que celebra 300 anos de São Gonçalo Beira Rio começa no domingo

Processão fluvial dá início à festa que contará com apresentações culturais, missa, chá com bolo, almoço festivo e muito mais

Lidiane Barros

, da Redação

lidiane.barros@olivre.com.br

 

Marcos Lopes

cerâmica São Gonçalo

O primeiro ponto do mapa da Cuiabá que cresce aceleradamente, surgiu há mais de 340 anos, quando em 1673, chegaram à região habitada pelos índios coxiponé, da nação bororo, os primeiros bandeirantes. Eles montaram acampamento no lugar onde o Rio Cuiabá e o Rio Coxipó se unem.

Segundo registros históricos, foi em 1718 que a região conhecida como berço cultural da capital mato-grossense, foi batizada de São Gonçalo Velho, em homenagem ao santo do dia. Nos anos que estavam por vir, o povoado foi rebatizado por São Gonçalo Beira Rio, como conhecemos atualmente, aquele que é o reduto da gastronomia à base do peixe, da cerâmica de barro extraído do rio e do cururu e siriri.

A comunidade se adianta ao aniversário dos 300 anos de Cuiabá – a ser celebrado em 2019 – festejando seu tricentenário a partir do domingo (7). Para marcar o início das comemorações, o evento idealizado pela Associação dos Moradores, festeiros e Prefeitura de Cuiabá, realizam a tradicional Procissão Fluvial com a imagem de São Gonçalo, saindo da Marina do Flutuante, passando pela Orla do Porto, em direção à comunidade.

Dezenas de barcos farão o trajeto. Quem se interessar, pode inscrever sua participação na Prefeitura de Cuiabá. O cadastro deve ser aprovado pela Marinha.

Os barcos se encontram às 7h e o trajeto de ao menos 3 km, deve ser percorrido em cerca de 30 minutos. Com o tempo demandado para a organização das embarcações e início, a previsão de chegada é às 8h. Quando a imagem chegar, será levada à Sede da Associação dos Moradores. Na sequência, dezenas de times se enfrentam no divertido Torneio de Futebol de Várzea. O encerramento será às 18h com entrega de premiação.

O LIVRE acompanhou a reunião dos preparativos finais, realizada nesta quinta-feira (4), no Museu do Rio, que contou com a presença de organizadores, festeiros, representantes da Prefeitura, Defesa Civil e oficiais da Marinha, Corpos de Bombeiro e Polícia Ambiental.

O Livre

organização Festa de São Gonçalo
 

Tradição cuiabana

O secretário de Cultura, Esporte e Lazer do município, Francisco Vuolo destacou a importância do evento para cultura cuiabana. “Além de marcar o início das atividades de 2018, integra também a comemoração dos 300 anos de Cuiabá, só que São Gonçalo comemora antes”, se anima.

“É uma celebração da tradição e reúne três elementos que são vitais para a construção da cidade. Primeiro, o rio Cuiabá. Depois, os festejos religiosos e o berço da cultura cuiabana. Símbolos vitais de nossa história”, destaca.

Depois do dia 7, as festividades são retomadas entre os dias 11 e 14 de janeiro com extensa programação, em homenagem ao santo, com noites culturais marcadas pelas Dança de São Gonçalo, apresentações de siriri e cururu, chá com bolo, missa campal, almoço festivo e muita música.

Com a palavra, os idealizadores

O morador Dalmir Almeida – à frente da Associação desde 1990 - está envolvido na produção da festa anos a fio. Ele mora na comunidade desde 1965. “Mas a família da minha esposa vive há muitas gerações, já têm mais de 200 anos lá”, se orgulha. “É um lugar muito prazeroso de se viver”. E quem vai lá desfrutar apenas algumas horas buscando refúgio, sabe bem do que ele está falando.

Outra moradora, bastante célebre, Dona Domingas, também está envolvida nos preparativos. “Eu nasci e fui criada em São Gonçalo. Este ano completo 64 anos de vida. Represento a quinta geração já. Minha avó, por exemplo, teve uma vida tranquila lá, morreu aos 105 anos”, conta.

O quintal de Domingas é ponto de visitação de turistas. E turistas famosos, também. Recentemente, o cantor e compositor Lenine foi lá desfrutar das delícias da gastronomia e singeleza da dança e música ribeirinha. “É simples, mas a gente tem o coração grande. Recebemos bem e procuramos manter viva nossa cultura”. O Flor Ribeirinha – que desponta em festivais folclóricos mundiais – investe também na formação de crianças e adolescentes, para garantir a preservação do siriri e cururu.

lenine e dona domingas
 

Ao lado de Dalmir e Domingas, o jovem Marcos Paulo também se orgulha da sua permanência em São Gonçalo: “São 33 anos já”. Ele ficou encarregado de cuidar da programação cultural. “Teremos apresentações da nossa cultura e contaremos com apoio de vários artistas mato-grossenses, como Edmilson Maciel, Vera Capilé e Totó Bodega”. Fora os grupos de lambadão e pagode que se intercalarão no baile de sábado e domingueira que começa às 14h.

Ele conta também, que de 11 a 14, os produtos em cerâmica dos artistas locais, serão comercializados em uma tenda à frente da Associação.

Marcos Lopes

cerâmica São Gonçalo
 

Mão amiga

O Livre

Jaime Okamura

O ativista Jaime Okamura é um apoiador e admirador que deu início ao envolvimento com a comunidade em 2005, quando era diretor de Turismo da Prefeitura de Cuiabá. “Deixei o serviço público, mas minha amizade continuou. Eles sempre me chamam para pensarmos projetos juntos. São minha segunda família, São Gonçalo Beira Rio é minha segunda casa”.

A comunidade mantém suas tradições e por meio delas, gera renda às famílias. “Fico feliz de ver a evolução. Quando iniciamos o trabalho, havia um bar e uma peixaria. Hoje temos 23 peixarias e uma média de 2 mil pessoas por fim de semana. Todas famílias sobrevivem basicamente da gastronomia e dos outros elementos tradicionais, como o siriri, cururu e cerâmica. É pena que alguns tenham deixado a cerâmica para se dedicar aos serviços de alimentação. Acho que é importante que seja desenvolvido um novo trabalho de valorização do artesanato, que era uma das principais atividades, fora a pesca”.

Nos 300 anos de São Gonçalo Beira Rio a parceria se fortalece. “A minha função é agregar, somar esforços”. Jaime Okamura destaca a organização dos moradores. “É uma das poucas comunidades tradicionais no Brasil que possui seu próprio calendário de eventos. São quatro: além da Festa de São Gonçalo, temos a Festa do Peixe, em abril, Festa dos Pescadores e Festa do Ceramistas. Jaime conta que ao calendário oficial, será incorporado novo evento, pois no dia 12 de fevereiro eles celebrarão o Carnaval Cultural. A tradição se mantém, graças a um grande poder de mobilização. Quem ganha são os moradores, quem ganha é Cuiabá. 

Confira a programação completa:

Dia 07 de janeiro

7h- Procissão Fluvial com imagem de São Gonçalo, saindo da Orla do Rio Cuiabá para a Comunidade São Gonçalo.
8h – Chegada Festiva do Padroeiro de São Gonçalo e cerimônia do início dos festejos dos 300 anos e Festa de São Gonçalo 2018.
Local: Sede da Associação dos Moradores de São Gonçalo.
9h- Torneiro de Futebol São Gonçalo 300 anos.
18h – Encerramento e entrega de premiação

Dia 11

19h – Levantamento de Mastro
20h – Festival de Cururu

Dia 12

20h – Noite Cultural – Apresentação de Siriri
21h – Dança de São Gonçalo
22h – Noite Cultural 2ª Parte

Dia 13

9h – Missa Campal em homenagem ao Santo Padroeiro São Gonçalo
10h – Chá com bolo
22h – Grande baile de São Gonçalo – Banda Real Som, Banda Ellus, Embalo SIM e Nova Versão

Dia 14

12h - Almoço Festivo de São Gonçalo
14h – Grande Domingueira Dançante de São Gonçalo com Ivan Allan.
16h- Pagode com Grupo Pura Emoção
18h – Novo Som
20h- Nova Versão
22h – Scort Som
00:00 – Encerramento da Festa de São Gonçalo 2018

 

Leia mais