12 de novembro de 2017 - 10:51

Espetáculos gratuitos são voltados ao público infantil neste domingo

Eles encerram a Semana de Formas Animadas que contou com vários espetáculos com técnicas do teatro de animação

Lidiane Barros

, da Redação

A alegria do circo e um dos clássicos da literatura infantil são ponto de partida para dois espetáculos encenados neste domingo, no Sesc Arsenal. Eles encerram as atividades a Semana das Formas Animadas que levou à plateia cuiabana, espetáculos idealizados à base de técnicas do teatro de animação. Todos com entrada livre.

Logo mais, às 17 horas, no Teatro do Arsenal, tem o Circo dos Objetos, com Mariza Basso, de São Paulo. Sons, cores e movimentos se fundem e, de repente, de um guarda-chuva temos a lona. A alegria do Circo está no ar, nas formas e no ritmo dos mais variados objetos.

O Circo dos Objetos

Como num passe de mágica, escovas, baldes, vassouras, desentupidores de pia, tecidos e espanadores vão se transformando em personagens circenses, ganhando alma e encantando o público. Junta-se um balde e um snorkel e êi-lo: o apresentador.

Um espanador e uma roldana revelam a alma da equilibrista na perigosíssima travessia de uma trena. De um penico e um tapete surge a alegria do circo: o palhaço. Cada objeto apaixonadamente manipulado – ora por duas, ora por quatro mãos – tem explorada sua multiplicidade. Juntos vão se transformando e estimulando o imaginário do público. Dos nós de um tecido nasce delicadamente o contorcionista.

As luzes da lanterna conduzidas agilmente pelo manipulador, fazem o show do globo da morte. “Respeitável público: Eis o Circo dos Objetos! Mais que um espetáculo, um ritual imprevisível que estimula a criatividade e homenageia o circo”, explica Mariza Basso que faz a manipulação junto a Tarso de Oliveira.

De noite, às 20 horas, João Come Feijão, com a mesma manipuladora, Mariza Basso, encerra a programação. Nesse divertido encontro, João conta como se tornou o maior vendedor de feijões do mundo e com a ajuda do vendedor de preciosidades utiliza as bugigangas da banca para narrar as aventuras do menino pobre que sonhava com dinheiro e poder.

“João Come Feijão” é inspirado na obra de Joseph Jacobs: “João e o pé de Feijão” e tem um final surpreendente, diferente do conto original. Vale a pena levar a criançada.

João Pé de Feijão