16 de abril de 2017 - 07:42

Aprosoja implementa classificador de grãos em quatro regiões

A intenção é evitar a discrepância nos preços praticados pelas empresas compradoras

Gabriele Schimanoski

, da Redação

gabriele.schimanoski@olivre.com.br

Produtores de Mato Grosso contam agora com classificadores de grãos em todas as regiões produtoras do Estado. A iniciativa de disponibilizar um profissional para o serviço partiu da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja). A medida vista equalizar e uniformizar as avaliações da qualidade do grão antes da produção ser entregue às empresas que comercializam o cereal.

A intenção, segundo Aprosoja, é evitar a discrepância nos preços praticados. "A classificação de grãos sempre é um ponto sensível na relação entre agricultores e empresas compradoras. O trabalho é importante para chegar a um denominador comum entre as duas partes", explicou o presidente da Associação, Endrigo Dalcin.

Classificador Legal

A iniciativa ganhou o nome de Programa Classificador Legal, todos os profissionais são regulamentados e homologados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Inicialmente a previsão é que eles atendam os produtores de Mato Grosso nas próximas três safras, mas o período poderá ser ampliado.

Locais

Inicialmente, os classificadores ficarão alocados em três municípios, levando em conta a área de soja cultivada em cada região. Na Região Norte, que responde por 30% da produção de soja de Mato Grosso, o profissional ficará em Lucas do Rio Verde; na Oeste (25% da produção), em Campo Novo do Parecis; e, para as regiões Sul e Leste (25% e 20% da produção, respectivamente), o classificador ficará no município de Primavera do Leste. 
 
Caso haja demanda, haverá contratação de um quarto classificador. “Este quarto profissional já foi previsto pela Comissão de Defesa Agrícola quando criamos o programa e, caso vejamos necessidade, a contratação do classificador será imediata”, explica o gerente de Defesa Agrícola, Thiago Moreira. 
 
Para fazer a ponte entre o associado e o profissional no dia a dia, o delegado coordenador de cada município ficará como responsável do Classificador Legal. Em Lucas do Rio Verde será Gilberto Eberhardt, em Campo Novo do Parecis, Antenor Utida, e, em Primavera do Leste, Jair Guariento. O programa já está na fase da implementação. 
 
“Para nós, como produtores, o programa é de grande valia, uma vez que no dia a dia existe disparidade na classificação de grãos de armazém para armazém. O que queremos e esperamos é que essa divergência de resultados não exista mais. A contratação dos classificadores é fundamental para nosso negócio”, avalia Jair Guariento. 
 
Do Núcleo de Tapurah, a delegada Maria Amélia Tirloni Zanini afirma que a implantação do programa é fundamental. “Os associados da Aprosoja em Tapurah, Itanhangá e Nova Maringá tiveram a oportunidade de defender sua produção com a presença do classificador acompanhando a colheita. Um dos problemas mais antigo dos associados ainda está tirando renda do produtor”, diz. 
 
Do Núcleo de Campo Novo do Parecis, o delegado Antenor Utida lembra que a região Oeste passou por fortes chuvas durante a safra de soja, o que acabou refletindo na colheita. “As chuvas impactaram na qualidade dos grãos, porém naquele momento nós não tínhamos um classificador do lado do produtor, que auxiliasse nessa classificação. Assim sendo, o programa é uma necessidade, uma demanda, que chega para retirar possíveis questionamentos”, define.